PE. Francisco Maria da Cruz Jordan

João Batista Jordan, nasceu aos 16 de junho de 1848, em Gurtweil, Baden - Alemanha. Órfão de pai aos 14 anos, João Batista teve que abandonar os estudos e, enfrentando a sorte do assalariado, emprega-se na construção de estradas de ferro e drenagem de rios. Mais tarde trabalha como pintor-decorador. Assim, vai se familiarizando com a luta pela vida, a cruz e a perseverança nas dificuldades. Jovem inquieto, corajoso e persistente, luta em busca de seu ideal. Alegre, determinado, inteligente, líder, dotado de dons artísticos e lingüísticos, brilha por seu espírito de iniciativa.

Diante das restrições impostas aos católicos em consequência da Revolução Cultural, João Batista é um dos participantes na luta, desenvolvendo seu ardor apostólico e seu amor pela Igreja, bem como sua capacidade de liderança e a consciência de apóstolo comprometido com a causa de Cristo e a vida das pessoas.

Aos 21 anos de idade volta a estudar, e com 26 anos é ordenado sacerdote. Em 1880 Pe. Jordan passou vários meses na Terra Santa. Ali teve uma decisiva experiência de fé e, vieram-lhe à mente as necessidades religiosas existentes em toda parte.

Dia 08 de dezembro de 1881, Pe. Jordan fundou a Sociedade Apostólica Instrutiva na Capela de Santa Brígida, em Roma, ocasião em que dois de seus companheiros emitiram os Primeiros Votos. Esta Primeira Profissão oficial marca a fundação do ramo masculino da Sociedade, que mais tarde passou a chamar-se "Sociedade do Divino Salvador".

Pe. Jordan foi audaz, descobrindo os problemas nevrálgicos de seu tempo, oferecendo respostas concretas a tais problemas e escolhendo pessoas para ajudá-lo na obra.

Destacamos alguns pontos de grande importância na vida e obra de Pe. Jordan:

  • Ante a ignorância religiosa, propôs a popularização da teologia.
  • Ante os problemas de guerra - pré-nazismo e totalitarismo - propôs a universalidade.
  • Fundou organizações para todo tipo de líderes: crianças, benfeitores, sacerdotes, cientistas.
  • Sua grande intuição foi a de fundar uma Sociedade capaz de formar líderes cristãos em todos os níveis da sociedade civil e religiosa.

Tendo feito a experiência da vitalidade da Igreja, Jordan se deu conta:

  • Da necessidade de comprometer leigos no apostolado;
  • Da capacidade especial que a mulher tem de evangelizar;
  • Da importância de evangelizar as crianças;
  • Da necessidade de unir todos os grupos apostólicos;
  • Da necessidade de buscar vocações para a Igreja e não só para seu Instituto;
  • Da conveniência de empregar os meios de comunicação social como instrumento privilegiado de evangelização e convencer-se de que a Igreja precisava dele.

Após ter experimentado as consequências da Primeira Guerra Mundial, que já acabava, Padre Jordan faleceu em Tafers, na Suíça, no dia 08/09/1918. No dia 12/09/1956, seus restos mortais foram transladados para Roma, onde se encontram na Capela da Casa Geral dos Padres Salvatorianos. Seu processo de beatificação está em andamento. O Decreto do reconhecimento das virtudes heroicas de Padre Jordan foi divulgado pela Igreja, em Roma, no dia 14 de janeiro de 2011.